CUT sabe de sua responsabilidade com a reorganização sindical, diz Sérgio Nobre

Com o Congresso Estadual da CUT Santa Catarina (CECUT-SC), nos dias 1¬ļ e 2 deste m√™s, em Florian√≥polis, a Central finalizou o per√≠odo de encontros regionais preparat√≥rios para ao 14¬ļ Congresso Nacional ,que ser√° realizado em outubro, em S√£o Paulo.

Ap√≥s os 27 CECUTs que tiveram in√≠cio em 19 de julho, o presidente nacional da entidade, S√©rgio Nobre, aponta que os debates foram capazes de avaliar os desafios enfrentados ao longo dos √ļltimos dois governos federais, mas, principalmente, indicar as lutas priorit√°rias do movimento sindical.

Para ele, nas discuss√Ķes dos estados foram un√Ęnimes as avalia√ß√Ķes sobre os estragos causados pela extrema direita aos direitos trabalhistas e a necessidade de mobiliza√ß√£o do movimento sindical para reorganizar a estrutura do Estado.

"As discuss√Ķes que fizemos n√£o deixaram d√ļvidas sobre a necessidade de sepultarmos a extrema direita de vez no Brasil e darmos continuidade a medidas essenciais para a democracia, como a reorganiza√ß√£o dos minist√©rios destru√≠dos durante o governo de Bolsonaro (PL) e Temer (MDB); o fortalecimento dos bancos p√ļblicos como fomentadores da economia; a retomada do BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econ√īmico e Social] para o crescimento do pa√≠s; a implementa√ß√£o de pol√≠ticas p√ļblicas voltadas √† reindustrializa√ß√£o com uma ind√ļstria limpa. Mas, principalmente, pol√≠ticas voltadas √† gera√ß√£o de empregos de qualidade, com sal√°rio decente", explicou S√©rgio Nobre.

Para ele, o trabalho ser√° intenso e o pr√≥ximo quadri√™nio, per√≠odo de mandato para as pr√≥ximas gest√Ķes estaduais e para a nacional, que ser√° eleita em outubro ser√° curto. Por isso, a primeira e principal tarefa √© aprovar a reforma do modelo sindical que tem sido discutida em um grupo interministerial instalado pelo presidente Luiz In√°cio Lula da Silva (PT), em abril.

O objetivo é elaborar um projeto a partir da discussão que envolve 36 membros, sendo 12 dos trabalhadores, 12 dos empresários e 12 do governo federal, para encaminhar ao Congresso Nacional.

"O primeiro item da nossa agenda √© a reforma do modelo sindical, para recompor a organiza√ß√£o dos sindicatos e trazer para dentro do sistema os 40 milh√Ķes de trabalhadores que est√£o sem representatividade. Al√©m de recuperar o financiamento, ampliar a democracia e fazer com que somente quem representa a classe trabalhadora possa continuar a existir. Aliado a isso, iremos trabalhar pela regulamenta√ß√£o da¬†conven√ß√£o 151 da OIT¬†[Organiza√ß√£o Internacional do Trabalho] para que o servidor p√ļblico tenha direito √† negocia√ß√£o coletiva. N√£o h√° democracia sem movimento sindical forte", definiu.

CUT-SC reelege professora

No √ļltimo CECUT, cerca de 300 delegados e delegadas representantes de mais de 70 sindicatos e federa√ß√Ķes presentes no congresso reelegeram a professora da rede estadual Anna Julia Rodrigues para o mandato que prosseguir√° at√© 2027.

O destaque ficou para a renovação de mais da metade da direção, com 60% de novos integrantes em relação à diretoria anterior. 

Aprovada em disputa com chapa √ļnica, Anna J√ļlia destacou durante discurso de posse o papel fundamental que a classe trabalhadora ter√° nos pr√≥ximos quatro anos.

"A CUT tem a importante tarefa de ajudar a reconstruir este país e devolvê-lo, de fato, para as mãos dos trabalhadores e trabalhadoras. Iremos defender o projeto do governo Lula, que ajudamos a eleger, mas sem deixarmos de estar atentos e mobilizados para organizar a classe trabalhadora. Teremos que fortalecer a CUT, mantendo o protagonismo que construímos durante estes 40 anos de sermos a maior central do país e um dos mais importantes instrumentos de luta em defesa da classe trabalhadora", afirmou.

Confira como ficaram a demais CUTs no país após os congressos.

Reelei√ß√Ķes marcaram pleitos

Na primeira semana dos encontros estaduais, em julho, a CUT Acre definiu a reeleição do presidente Edmar Batistela. Mesma situação de Valdemir de Souza Santana, reeleito para comandar a CUT Amazonas. Também na CUT Mato Grosso do Sul, o professor Henrique Lopes será responsável por comandar pela segunda vez a Central durante os próximos quatro anos.

Na CUT Cear√°, o metal√ļrgico Wil Pereira foi reeleito, da mesma forma que a presidenta Elzilene Nascimento, em Rond√īnia, Manoel Lages, no Maranh√£o, e Marcio Kieller, no Paran√°.

No Rio Grande do Sul, Amarildo Cenci foi reconduzido à presidência, situação idêntica a do professor Paulo Rocha, em Pernambuco, e Roberto Silva, no Sergipe.

Na 4¬™ semana de CECUTs, Piau√≠, Goi√°s e o Rio de Janeiro escolheram as novos dire√ß√Ķes e na CUT-PI, o novo presidente escolhido foi o banc√°rio Odaly Medeiros. Na CUT-GO, tamb√©m sob nova dire√ß√£o, o professor Fl√°vio Silva ir√° comandar a central, enquanto na CUT-RJ houve a reelei√ß√£o do trabalhador do setor da sa√ļde, Sando Cezar.

No Distrito Federal, a Central será comandada novamente pelo professor Rodrigo Rodrigues. Na Bahia, o congresso definiu um novo mandato para a presidenta Maria Madalena, a Leninha, mesma situação de Minas Gerais, que terá no comando mais uma vez o presidente Jairo Nogueira Filho.

A sexta semana dos congressos, com o maior n√ļmero de encontros, promoveu atividades no Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Roraima, Alagoas, Amap√°, Esp√≠rito Santo, Par√°, Para√≠ba, S√£o Paulo e Tocantins.

Houve renova√ß√Ķes na CUT-RN com o metal√ļrgico Irailson Nunes na presid√™ncia, na CUT-AL com Luciano Santos, na CUT-PA com a banc√°ria Vera Paoloni e na CUT-SP com a escolha do trabalhador do ramo qu√≠mico Raimundo Suzart. Na CUT-MS o presidente Vilson Greg√≥rio foi reeleito, mesma situa√ß√£o da CUT-ES com a presidenta Clemilde Cortes, da CUT-PB com Ti√£o Santos, da CUT-TO com Jos√© Roque, da CUT-RR, com Thoynha Matias e da CUT-AP, com o servidor p√ļblico Errolflynn Paix√£o.

Rumo ao 14¬ļ CONCUT

Ap√≥s os CECUTs em todo o pa√≠s, que definiram as estrat√©gias locais de luta e as bandeiras, delegados e delegadas que estar√£o presentes no 14¬ļ CONCUT, a Central promove entre os dias 19 e 22 de outubro, em S√£o Paulo, o congresso nacional que ter√° como tema "Luta Direitos e Democracia que Transformam Vidas!".

O evento celebrar√° os 40 anos da maior central sindical do Brasil e da Am√©rica Latina, apontar√° as frentes de atua√ß√£o em meio ao primeiro ano do governo do presidente Luiz In√°cio Lula da Silva (PT), marcado por debates importantes como a retomada das pol√≠ticas para a ind√ļstria e o impacto sobre a classe trabalhadora, a regula√ß√£o do mercado para trabalhadores e trabalhadoras por aplicativo e a revis√£o da pol√≠tica ambiental com foco em uma transi√ß√£o justa e igualit√°ria.

Fonte: CUT