POL√ćTICA DE ATEN√á√ÉO A SA√öDE DA MULHER FOI TEMA DE REUNI√ÉO NO SINDICATO DE JA√áAN√É

O Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Ja√ßan√£, munic√≠pio distante 158,4 km de Natal/RN, recebeu na manh√£ do √ļltimo dia 09 de maio, uma reuni√£o do Conselho Municipal de Sa√ļde que tratou sobre a Pol√≠tica Nacional de Aten√ß√£o Integral a Sa√ļde das mulheres.

As Diretoras do Sindicato estiveram participando da reuni√£o, atentas as quest√Ķes referentes a mulher.

No momento n√≥s do sindicato que fazermos parte do conselho de sa√ļde de ja√ßan√£ estamos participando de uma reuni√£o ampliada sobre Pol√≠ticas nacional de aten√ß√£o integral das mulheres.

SAIBA MAIS INFORMA√á√ēES SOBRE A POL√ćTICA NACIONAL DE ATEN√á√ÉO INTEGRAL A SA√öDE DAS MULHERES:

Uma das principais mudan√ßas implementadas pela Pol√≠tica Nacional de Aten√ß√£o Integral √† Sa√ļde da Mulher (PNAISM) no Brasil est√° relacionada √† amplia√ß√£o do conceito de sa√ļde da mulher a partir da incorpora√ß√£o de quest√Ķes como, por exemplo, a garantia dos direitos sexuais e reprodutivos.

H√° algumas d√©cadas, a assist√™ncia e o atendimento √† mulher restringiam-se "√† sa√ļde materna ou √† aus√™ncia de enfermidade associada ao processo de reprodu√ß√£o biol√≥gica". Com o avan√ßo dos debates em torno dos direitos das mulheres, a PNAISM tamb√©m passou a considerar a desigualdade de g√™nero como fator e grande impacto sobre as condi√ß√Ķes da sa√ļde da mulher e que, portanto, precisa ser considerada, tanto na an√°lise das a√ß√Ķes no √Ęmbito do SUS (Sistema √önico de Sa√ļde) como dentro das diretrizes e princ√≠pios estabelecidos pelo Minist√©rio da Sa√ļde (MS) para esta parcela da popula√ß√£o.

"A PNAISM consolidou os avan√ßos do Programa de Assist√™ncia Integral √† Sa√ļde da Mulher (PAISM), de 1984, que redefiniu a agenda relativa √† sa√ļde da mulher, ampliando o leque de a√ß√Ķes, at√© ent√£o focadas na assist√™ncia ao ciclo grav√≠dico-puerperal, para incluir outros aspectos relevantes da sa√ļde da popula√ß√£o feminina, tais como a assist√™ncia √†s doen√ßas ginecol√≥gicas prevalentes, a preven√ß√£o, a detec√ß√£o e o tratamento do c√Ęncer de colo uterino e de mama, a assist√™ncia ao climat√©rio, a assist√™ncia √† mulher v√≠tima de viol√™ncia dom√©stica e sexual, os direitos sexuais e reprodutivos e a promo√ß√£o da aten√ß√£o √† sa√ļde de segmentos espec√≠ficos da popula√ß√£o feminina, entre outros".

Fonte: Pol√≠tica Nacional de Aten√ß√£o Integral √† Sa√ļde da Mulher (Portal Sa√ļde-MS) 

Segundo o Minist√©rio da Sa√ļde, s√£o objetivos gerais da Pol√≠tica Nacional de Aten√ß√£o Integral √† Sa√ļde da Mulher:

¬∑         Promover a melhoria das condi√ß√Ķes de vida e sa√ļde das mulheres brasileiras, mediante a garantia de direitos legalmente constitu√≠dos e amplia√ß√£o do acesso aos meios e servi√ßos de promo√ß√£o, preven√ß√£o, assist√™ncia e recupera√ß√£o da sa√ļde em todo territ√≥rio brasileiro.

¬∑         Contribuir para a redu√ß√£o da morbidade e mortalidade feminina no Brasil, especialmente por causas evit√°veis, em todos os ciclos de vida e nos diversos grupos populacionais, sem discrimina√ß√£o de qualquer esp√©cie.

¬∑         Ampliar, qualificar e humanizar a aten√ß√£o integral √† sa√ļde da mulher no Sistema √önico de Sa√ļde.

Em seus objetivos espec√≠ficos, a PNAISM aponta como priorit√°rio desenvolver a√ß√Ķes que garantam aten√ß√£o humanizada √†s mulheres nas seguintes situa√ß√Ķes que envolvem sua sa√ļde:

¬∑         Mortalidade materna, com subdivis√Ķes que abrangem: precariedade da aten√ß√£o obst√©trica; abortamento em condi√ß√Ķes prec√°rias, precariedade da assist√™ncia em anticoncep√ß√£o; DST/HIV/Aids;

¬∑         Viol√™ncia dom√©stica e sexual;

¬∑         A sa√ļde de mulheres adolescentes;

¬∑         Sa√ļde da mulher no climat√©rio/menopausa;

¬∑         Sa√ļde mental e g√™nero;

¬∑         Doen√ßas cr√īnico-degenerativas e c√Ęncer ginecol√≥gico;

¬∑         Sa√ļde das mulheres negras;

¬∑         Sa√ļde das mulheres ind√≠genas;

¬∑         Sa√ļde das mulheres l√©sbicas;

¬∑         Sa√ļde das mulheres residentes e trabalhadoras na √°rea rural;

¬∑         Sa√ļde das mulheres em situa√ß√£o de pris√£o.

No √Ęmbito da Pol√≠tica Nacional de Aten√ß√£o Integral √† Sa√ļde da Mulher, devem ainda ser destacados alguns aspectos considerados essenciais na execu√ß√£o das a√ß√Ķes: a humaniza√ß√£o do atendimento, no sentido de "aprender a compartilhar saberes e reconhecer direitos. A aten√ß√£o humanizada e de boa qualidade implica o estabelecimento de rela√ß√Ķes entre sujeitos, seres semelhantes, ainda que possam apresentar-se muito distintos conforme suas condi√ß√Ķes sociais, raciais, √©tnicas, culturais e de g√™nero" e a necessidade de considerar as especificidades locais para aplica√ß√£o da pol√≠tica.

Por fim, a Pol√≠tica Nacional proposta considera a diversidade dos 5.561 munic√≠pios, dos 26 estados e do Distrito Federal, que apresentam diferentes n√≠veis de desenvolvimento e de organiza√ß√£o dos seus sistemas locais de sa√ļde e tipos de gest√£o.

Saiba mais acesse em pdf (344 KB) a publica√ß√£o: Pol√≠tica Nacional de Aten√ß√£o Integral √† Sa√ļde da Mulher - Princ√≠pios e Diretrizes (MS - 2009)

 Foto: Francinete Silva